Nisto ele foi ajudado, como sempre, por Karekaa

Nisto ele foi ajudado, como sempre, por Karekaa

Nisto ele foi ajudado, como sempre, por Kareka. No minuto 87 na bola do oponente de penalidade encontrou Carnevale, que a entregou a Maradona. Lançando o defensor, ele quase chegou ao portão, mas então mudou de idéia e enviou a bola ao lado, onde os companheiros de equipe já estavam esperando. Em seu lugar era Kareka, que fez alguns toques e enviou a bola eventualmente para o gol. Talvez a bola vencedora mais importante. Kareka típico: profissionalmente, discreto e no momento certo. A situação foi repetida duas semanas depois na partida de retorno do convidado.

Se o primeiro jogo estava tenso, então na Alemanha houve um drama real. Os alemães começaram intensamente, percebendo que uma bola garante vitória graças a um objetivo de saída. Um cruzamento rápido na área de penalidade encontrou o chefe de Karl Allgöver, mas desta vez Giuliani não se equivocou. Logo o primeiro gol aconteceu, mas o goleiro do lado receptor teve que levar a bola para fora.

Seu autor de repente tornou-se Alemao brasileiro, que se juntou ao clube um ano antes. Depois que o dano quase o deixou fora de ação, ele voltou para o campo, entrou na área de penal e disparou. O goleiro tocou a bola, mas não conseguiu alterar a trajetória.

Os italianos lideraram o jogo, mas não por muito tempo: Jürgen Klinsmann, que perdeu o primeiro jogo, disparou um tiro fatal depois de arquivar com um canto. O defensor Ferrara não conseguiu evitar o eminente alemão, mas logo ele respondeu o mesmo. Já aconteceu nos últimos minutos do meio tempo – também da esquina. Em primeiro lugar, Klinsmann bateu a bola, mas Maradona, que o pegou, voltou para a área de grande penalidade do adversário, e Ferrera, ansiosa para pagar a dívida, enviou a bola para o goleiro. A pontuação foi de 1: 2, e “Napoli” já não duvidava que o troféu fosse dele.

Então, não acabou: Kareka marcou mais uma, fazendo o placar 5-2, após o que Fernando De Napoli jogou a bola em sua própria rede. Fraca esperança. E mesmo o objetivo de Olaf Schmeler não ajudou. A Taça UEFA foi com Napoli, e Kareka tornou-se o melhor atacante do torneio.

A temporada seguinte não trouxe muita alegria a Kareka, que marcou apenas dez gols. Todos são importantes para o “Napoli”, que novamente se tornou o campeão, à frente de “Milão” por dois pontos. Em Nápoles, as celebrações não terminaram, e Kareka estava no centro das atenções. Foi seu dueto com Maradona que permitiu que a equipe subisse ao topo do futebol italiano. O próprio argentino marcou 17 gols, mas a atitude em relação a ele foi prejudicada depois que a seleção com ele levou os italianos nas semifinais da Copa do Mundo. Para Kareki, o mundo se mostrou menos vívido: apesar de marcar duas vezes em quatro jogos, o “Selesao” deixou o campeonato muito rápido.